Páginas

Blog literário criado em 29/08/2008, na cidade de Blumenau-SC.


4 de mai de 2009

Cartão “vipado”

Você, certamente conhece aquelas piadinhas em que o ouvinte é enrolado, enrolado, enrolado e no final fica sem saber do melhor da piada. Aquela, do tipo do cara que queria muito transar com uma determinada mulher, mas ela diz que só vai transar com ele depois de casada e dá um determinado nome pra transa. O cara fica tão louco pela tal transa que aceita casar e na lua-de-mel a mulher morre antes de transarem e ninguém fica sabendo como é a tal transa.

Você fica “p” da vida pelo tempo que perdeu. Pois é, eu passei por uma situação dessas, não com relação a tal transa, mas com a perda de tempo. Na verdade me senti como o cara da piada. Cheguei até a achar que estava caindo em alguma pegadinha da televisão. Não era, foi real.

Eu sou cliente de uma grande rede de supermercados com sede em Santa Catarina. Compro desde que eles inauguraram sua primeira loja em Blumenau. Mesmo com a abertura de outras lojas de grandes redes eu permaneço fiel. Semanalmente, às vezes duas ou mais vezes, vou ao supermercado. Tenho o cartão de fidelidade e o cartão de crédito, internacional, da rede.

Dias destes ao passar pelo caixa, em um sábado, a atendente me informou que meu cartão estava “vipado” e que eu deveria procurar o setor de atendimento do clube de fidelidade. No começo achei que tinha ouvido mau, mas ela me confirmou que era mesmo “vipado”. Que diabos pode ser isto, imaginei. De imediato relacionei com VIP, e na certa eu iria ganhar algum tipo de beneficio. Um neologismo, assim como deletado, agora tem vipado. Vamos enriquecer nosso maltratado português.

Fui até o tal clube e não havia ninguém para me atender. Já comecei a estranhar. Será que estão me sacaneando? Como a curiosidade era maior, igual ao do marido da piada, fui até o balcão de atendimento e conversei com a mocinha que lá estava. Relatei a minha situação e ela prontamente disse: o seu cartão está “vipado” e falou com uma alegria, com um tremendo sorriso que eu tive certeza de que iria ganhar mais um beneficio. Disse, ainda, a atendente: - olha a moça que irá atendê-lo está bem aqui na nossa frente, preenchendo uma proposta de adesão, vamos. Lá fui eu, feliz da vida. A tal moça olhou-me e disse: - “cartão vipado, só um momento que eu vou terminar aqui e já lhe atendo”. Ansioso eu disse, tudo bem, mas o que é cartão “vipado”? Ela abriu um sorriso e disse para não me preocupar que era coisa boa e continuou a preencher a proposta de adesão.

Eu fiquei ali, parado, feito um poste, no meio do corredor dos caixas. O tempo foi passando e nada de terminar a proposta. Então, eis que ela termina pega à senhora que era a dona da proposta e vão embora. Eu fiquei parado, com cara de idiota. Agora tinha certeza de que era pegadinha. Disfarçadamente olhei para ver se tinha alguém me filmando. Não achei ninguém. Esperei alguns instantes na esperança de que ela fosse voltar, ou pelo menos me chamar para acompanhá-la. Nada, absolutamente nada aconteceu. Juntei toda a minha insignificância de cliente “vipado” e fui embora.

Passei todo o fim de semana imaginando o que seria o tal cliente “vipado”. Não contendo minha curiosidade, na segunda-feira, logo cedo fui até a loja do supermercado e entrei direto no clube de fidelidade. Tinha uma atendente sentada. Olhei para ela e proclamei, eu sou um cliente “vipado”! Você poderia me dizer o que isto significa? Caro leitor, vou poupá-lo da resposta. Acredite em mim (ou deveria dizer: believe me?), você não vai gostar de saber!


Paulo Roberto Bornhofen
02/05/2009